A Bolsa de Lisboa esteve, esta quinta-feira, a negociar sempre perto da linha de água e acabou por fechar com um muito ligeiro recuo de 0,03%, acompanhando a tendência do resto da Europa.

A Pharol interrompeu um cliclo de subidas e, apesar de ter chegado a valorizar 15% durante a sessão,  fechou a perder 1,093%, para 36,2 cêntimos por ação. O título continua sob a atenção dos investidores, não só por causa do plano de compra de ações próprias para remunerar os acionistas, mas principalmente pelas notícias de consolidação do setor das telecomunicações no Brasil, que envolvem a participada OI e a TIM.
 

BCP interrompe ciclo de subidas

 
O Millennium BCP foi outro título que interrompeu as subidas. Depois de ter valorizado 47% em seis sessões consecutivas, as ações do BCP fecharam esta quinta-feira a perder 1,8%, fixando-se em seis cêntimos por ação.

O Banif acompanhou a tendência de queda do Millennium, com um recuo de 2,564%, para 0,0038 euros por ação. Já o BPI manteve a tendência de subida das últimas sessões e ganhou 1,604%, para 1,14 euros por ação.

Pela negativa, destaque ainda para a Galpenergia: caiu 1,265% depois de, na véspera, ter valorizado com a recuperação dos preços do petróleo. Nas seis sessões anteriores a esta quinta-feira a petrolífera tinha acumulado ganhos de 21%.