A Bolsa de Lisboa terminou a semana em alta ligeira, com ganhos de 0,42%, fechando no nível mais elevado desde 18 de agosto e acompanhando a tendência europeia, onde as principais bolsas registaram máximos do último mês.

O índice PSI20 beneficiou do disparo de 4,833% do Millennium BCP, a reagir ao anúncio de fusão do Millennium Angola, detido a 50,1% pelo banco português,  com o Banco Atlântico, que criará o segundo maior banco privado de Angola, em crédito à economia.


BCP fica com 20% de novo banco em Angola


O Millennium BCP ficará com 20% da nova instituição, beneficiando do peso do Atlântico no mercado angolano, e, por outro lado, reduz a exposição a Angola e reforça os seus rácios de capital. As ações terminaram a semana a 6,29 cêntimos, com uma valorização de 51% desde o dia 29 de setembro, quando os títulos fecharam a 4,16 cêntimos.

O BPI beneficiou da valorização do concorrente BCP e ganhou 1,053%, para 1,1520 euros.

A maior subida do dia pertenceu à Mota-Engil, 5,634%, num dia em que a EDP também contribuíu para o desempenho do índice, com uma valorização de 1,040%, para 3,4960 euros.

A maior queda do dia pertenceu à Pharol, que recuou pelo segundo dia consecutivo, desta vez 5,525%, depois dos fortes ganhos registados com o anúncio de um programa de compra de ações próprias, para remunerar os acionistas, e das notícias de consolidação do setor das telecomunicações no Brasil, envolvendo a participada OI e a TIM.