Mais um dia vermelho para os mercados, a começar pela Bolsa de Atenas, que afundou 4,75%.
A tensão entre a Grécia e os credores internacionais avoluma-se em vésperas do Eurogrupo, que vai reunir na quarta-feira para discutir a situação na Grécia.
 
governo grego apresentou o seu programa no domingo, no Parlamento, com o primeiro-ministro Alexis Tsipras a anunciar a criação de um programa de ajuda social aos que foram mais afetados pela crise no país e a recontratação dos trabalhadores da função pública que foram despedidos. Entre outras medidas, Atenas comunicou, ainda, que   vai exigir à Alemanha indemnizações da II Guerra Mundial
 
As principais bolsas europeias também encerraram no vermelho: Madrid caiu 2,1%, Milão desceu 1,9%, Frankfurt perdeu 1,7%, Paris depreciou 0,8% e Londres deslizou 0,3%.
 
Em, Lisboa, o PSI-20 caiu 0,83% para os 5.220,72 pontos, com apenas cinco cotadas no verde.
 
Os CTT tombaram 4,5%, para os 9,01 euros. A Jerónimo Martins deslizou 2,6%, com cada título a cotar a 9,96 euros.
 
No setor das telecomunicações, a tendência foi mista: enquanto a NOS perdeu 2,2%, para os 5,42 euros, a PT subiu 1%, nos 0,71 euros por ação.
 
No setor da banca verificou-se tendência semelhante, com o BCP a cair 0,8% nos sete cêntimos por ação. Já o BPI avançou 2,7%, com as ações a valer 0.92 euros.
 
No setor da energia, destaque para a Galp, que ganhou 3,1% nos 10,42 euros e protagonizou a maior subida do índice. A empresa apresentou resultados relativos ao exercício de 2014, com prejuízos de 173 milhões de euros.

A EDP caiu 0,7%, para os 3,21 euros por ação.