As bolsas europeias tiveram esta quarta-feira um dia muito positivo, animadas por notícias vindas da Ásia. A bolsa de Tóquio fechou com uma subida de 7,71%, naquela que foi a maior valorização desde outubro de 2008, a reagir ao anúncio pelo primeiro-ministro nipónico, Shinzo Abe, de uma descida do principal imposto sobre as empresas nos próximos anos.

A China também deu uma ajuda ao desempenho dos mercados internacionais, com o índice CSI 300 das bolsas de Xangai e Schenzen a subir 1,96%, depois do ministro das finanças chinês ter prometido um plano de estímulos para fazer face ao abrandamento da economia, que inclui investimentos em infraestruturas e uma reforma fiscal.

As bolsas europeias foram contagiadas por esta onda positiva e subiram entre os 1,79% de Madrid e os 0,35% de Lisboa e Frankfurt, passando pelos 1,44% de Paris, 1,21% de Londres e 0,84% de Milão.
 

Millennium BCP desvaloriza 4,5% para mínimo de dois anos


Lisboa só não ganhou mais porque foi penalizada pela queda do Millennium BCP. O banco de Nuno Amado fechou com uma desvalorização de 4,494%, a reagir a uma nota do banco francês Société Générale que cortou o preço alvo da instituição portuguesa em cerca de 30%, apesar de manter uma recomendação de compra, e sinalizou a necessidade de um novo aumento de capital do BCP em 2016. O Millennium BCP fechou a valer  apenas 5 cêntimos por ação, o valor mais baixo dos últimos dois anos. 

Na banca, o BPI também negociou em terreno negativo e sofreu uma queda ligeira de 0,802%.

A estrela do dia na bolsa lisboeta foi a Altri, com uma subida de 7,840%, a beneficiar de notas positivas do BPI e do BBVA a aconselhar a compra de ações da empresa de pasta de papel.

A contribuir para o desempenho do índice principal da bolsa nacional esteve também a Jerónimo Martins, com uma subida de 1,784%.