2014 foi o ano do naufrágio de um império familiar e da perda das poupanças de uma vida para milhares de pessoas. O BES acabou arrancado à força das mãos dos Espírito Santo, num escândalo que soma irregularidades, uma dívida gigante, contas suspeitas e alegada fraude.
 
Uma mistura explosiva que levou ao fundo o maior grupo privado económico português e deixou Portugal em estado de choque, com o nome dos Espírito Santo caído em desgraça.  
 
No Repórter TVI desta semana, falamos de luxo, poder, influência e queda do Grupo Espírito Santo, e do rasto de prejuízos que fica para a história do país… Envoltos em lutas judiciais, nos confrontos com o Banco de Portugal, e em inúmeras batalhas e intrigas, os Espírito Santo veem o seu império implodir.
 
Na esgrima das acusações, são muitos os que apontam o dedo ao chefe do clã, Ricardo Salgado. Cada vez mais isolado, Salgado recusa ser o único responsável, e ergue a espada contra outros e em especial contra o contabilista, Machado da Cruz, o qual, arrependido, diz que tudo foi ideia de… Salgado.
 
Pelo meio deste terramoto económico, há acusações ao Banco de Portugal e ao seu Governador, por se curvarem ao «DDT, Dono Disto Tudo», e ao poder político, por ser demasiadamente próximo ou até promíscuo.
 
E um fator constante, permanente: dinheiro. Muito dinheiro.
 
«Em Nome dos Espírito Santo » é uma grande reportagem da jornalista  Fernanda Teixeira, com imagem de  Bernardo Magalhães, edição de  Miguel Freitas e grafismo de  Ricardo Rodrigues. A primeira parte passou esta segunda-feira, no Jornal das 8 da TVI. A segunda poderá ser vista já esta terça-feira à noite, no mesmo jornal.