O presidente do Banco Comercial Português (BCP), Nuno Amado, garantiu hoje que o banco que lidera não está na corrida à compra do Novo Banco, dizendo que vê com «bons olhos» o interesse do rival BPI na instituição.

«Não temos o sonho de comprar o BES [Banco Espírito Santo]. O que aconteceu não foi um sonho, foi um pesadelo», afirmou Nuno Amado na conferência de imprensa relativa à divulgação das contas até setembro do BCP.

Questionado sobre o interesse assumido pelo líder do congénere BPI, Fernando Ulrich, em estudar essa oportunidade, Nuno Amado frisou que compreende essa necessidade.

«Avalio bem. O meu colega Fernado Ulrich tem toda a razão. Um banco como o dele tem toda a obrigação de olhar para a possibilidade de compra», considerou.

E realçou: «O que me preocupa não é tanto quem compra, mas por quanto é que compra».

Ou não fosse o BCP um dos bancos que participam no Fundo de Resolução do Novo Banco, logo, uma das entidades que se arrisca a ter perdas caso a venda da entidade que resultou da resolução aplicada ao BES renda menos do que os 4,9 mil milhões de euros que lá foram injetados.

Sobre a liderança de Eduardo Stock da Cunha no Novo Banco, Amado disse que a gestão do banco está a fazer um «trabalho adequado» e que isso lhe dá «tranquilidade».

Ainda sobre uma eventual compra do Novo Banco pelo BPI, o líder do BCP frisou que é da opinião de que «é bom haver bancos fortes».

E reforçou: «É bom que o BPI esteja forte e é bom que o BCP esteja forte e é bom para a concorrência» entre os bancos que operam em Portugal.

«É bom para o país, e isso é bom para as instituições», concluiu.