O Banco de Portugal deu início à quarta fase do processo de venda do Novo Banco, iniciando as negociações decisivas com o potencial comprador que já escolheu, que a imprensa diz ser a seguradora chinesa Anbang.

Segundo o supervisor, "esta fase corresponde à decisão final e compreende um período de negociação com o potencial comprador selecionado pelo Banco de Portugal. Está previsto que essas negociações decorram até ao final do presente mês de agosto".

A informação consta de um comunicado hoje divulgado, no qual se lê que "as propostas vinculativas entregues pelos dois outros potenciais compradores permanecem integralmente válidas".

Até hoje, o Banco de Portugal (BdP) nunca revelou o nome das três entidades que se mantêm na corrida à compra do Novo Banco, mas os grupos chineses Fosun e Anbang e o fundo norte-americano Apollo têm sido referidos pela comunicação social como os selecionados.

E a imprensa especializada tem insistido que é a seguradora chinesa Anbang que vai negociar em exclusivo com o BdP nesta quarta fase do processo de venda do Novo Banco.

No final desta fase e "depois de avaliados os resultados das negociações à luz das regras previstas no Caderno de Encargos, o Banco de Portugal tomará uma decisão sobre o processo de alienação do Novo Banco", indicou a entidade liderada por Carlos Costa.

O BES, tal como era conhecido, acabou a 03 de agosto de 2014, quatro dias depois de apresentar um prejuízo semestral histórico de 3,6 mil milhões de euros.

O BdP, através de uma medida de resolução, tomou conta da instituição fundada pela família Espírito Santo e anunciou a sua separação, ficando os ativos e passivos de qualidade num 'banco bom', denominado Novo Banco, e os passivos e ativos tóxicos, no BES, o 'banco mau' ('bad bank'), que ficou sem licença bancária.