O ex-presidente da Portugal Telecom garante que não reclamou nenhum prémio da PT e que havia uma «avaliação rigorosa» na hora de atribuir estas compensações.
 

«Eu não reclamei nada da PT. A definição dos prémios na PT é feita com base em critérios objetivos. A forma como a notícia tem sido tratada leva a uma presunção de que era um grupo de amigos a decidir dar prémios uns aos outros».

 
Zeinal Bava estava a ser questionado sobre as suas alegadas queixas em relação a dinheiro de bónus que teria ficado de receber. O Observador noticiou que a PT pagou, em 2014, 9,58 milhões de euros em prémios aos administradores, referentes aos anos de 2010 a 2013.
 
Segundo o que Bava afirmou esta quinta-feira na comissão de inquérito ao colapso do BES/GES, a PT tinha uma comissão de avaliação e uma comissão de vencimento, com «pessoas creditadas» e uma «longa experiência» em termos de «remuneração das equipas de gestão».
 

«Neste momento, esse assunto não ocupa a minha atenção. Não reclamei um prémio da PT. O que existe é uma prática que a empresa instituiu para que se mantivesse um compromisso a longo prazo com o projeto».

 
Zeinal Bava destacou ainda que o auditor externo «confirmava o cálculo» da «avaliação rigorosa» dos bónus.
 
Já esta quinta-feira, o ex-presidente da PT e da Oi confirmou que as «condições» em que saiu da operadora brasileira foram «acordadas com a empresa», não desmentindo, nem confirmando, que recebeu 5,4 milhões de euros de indemnização.