O presidente do Novo Banco desvalorizou esta segunda-feira o impacto na entidade do processo judicial que envolve dois diretores do Novo Banco, que transitaram do BES, e foram constituídos arguidos após buscas conduzidas na quinta-feira.

«Todos os acontecimentos da semana passada tiveram um impacto zero no Novo Banco», afirmou Eduardo Stock da Cunha, presidente do banco de transição que resultou da intervenção pública no Banco Espírito Santo (BES), no início de agosto.

Segundo Stock da Cunha, «a relação com os clientes mantém-se normal, porque eles já distinguem o que é o BES e o que é o Novo Banco».

Quanto ao balanço de abertura da entidade, que vai estar pronto em breve, Stock da Cunha não quis avançar grande informação.

Ainda assim, garantiu que «não vai haver mais surpresas» e que «o banco vai funcionar normalmente», cita a Lusa.

Dois diretores do Novo Banco, que transitaram do BES, foram constituídos arguidos após as buscas de quinta-feira das autoridades no âmbito das investigações relacionadas com um processo-crime do universo Espírito Santo.