O presidente do BES, Ricardo Salgado, disse esta terça-feira que até ao momento o banco não foi solicitado para ajudar a salvar o Banco Privado Português (BPP).

Questionado pelos jornalistas sobre a possibilidade do BES poder voltar a ajudar o BPP, Ricardo Salgado foi peremptório: «o BES foi uma das instituições que participou na primeira ajuda ao BPP, depois disso, e até ao momento, não foi solicitado qualquer pedido pelo Estado para voltar a ajudá-lo», avançou em conferência de imprensa, por altura da apresentação de resultados da instituição financeira que dirige.

«Fomos inicialmente convidados a participar com garantia do Estado no Banco Privado mas não sabemos de mais nada. Além disso, não estamos interessados em participar em nada, até porque não fomos solicitados», frisou.

O líder do banco disse ainda que «o melhor para o BPP seria a recuperação», mas lembra que «a situação é complicada».

Recorde-se que a Privado Holding anunciou esta terça-feira que teme um cenário de falência do BPP. O que é certo é que o banco que até aqui geria fortunas necessita de 300 milhões de euros para sobreviver, 150 dos quais foram pedidos ao Estado. O restante capital teria de vir de outros bancos portugueses.