O Novo Banco vai ficar com 9,9% do capital do BES Angola e o resto do valor vai ser ressarcido à instituição através de dois empréstimos. Contas feitas, o Novo Banco vai ser ressarcido em um quinto do valor do empréstimo de 3,2 mil milhões de euros que o BES emprestou ao banco angolano.

Recorde-se que o BESA era detido a 55,71% pelo antigo BES, e não transitou para o Novo Banco. Mas o empréstimo foi canalizado para o «banco bom».

Esta segunda-feira o Banco Nacional de Angola aprovou o plano de recapitalização do BESA, que inclui um aumento de capital no montante de 360.768 milhões de Kwanzas, seguido de uma redução dos capitais próprios dos acionistas por absorção da totalidade dos prejuízos acumulados. «Com esta operação, os atuais acionistas do banco vêm as suas participações no capital social, completamente diluídas», adianta o regulador angolano em comunicado.

Outra das etapas do plano é a «conversão do montante de 7.000 milhões de kwanzas do empréstimo interbancário sénior em capital social do BESA, representando uma participação social de 9,9% na instituição, conversão que fica dependente da autorização a obter por parte do titular do empréstimo interbancário sénior junto das entidades competentes para a subscrição do referido capital social».

Relativamente aos dois empréstimos, o BNA revela que o empréstimo de 41.596 milhões de Kwanzas do BES ao BESA vai ser convertido num empréstimo em dólares reembolsável a 18 meses.

Outro empréstimo, de 41.596 milhões de Kwanzas, vai ser convertido num empréstimo em dólares, reembolsável a 10 anos.

«A solução adotada, ao contrário da liquidação que levaria a uma perda total de valor, permite a reposição dos direitos estatuários dos acionistas, a possibilidade de geração de rendimentos e proveitos para a recuperação do esforço financeiro demandado e o cumprimento das responsabilidades subordinadas», sublinha a instituição.

O BNA revela ainda que ordenou uma avaliação «específica e independente» da qualidade dos ativos de todas as instituições financeiras que operam no mercado nacional.

Conheça o comunicado na íntegra, aqui.