Mais de 47% das empresas registaram prejuízos em 2012, um crescimento de quase três pontos percentuais em relação ao ano anterior, segundo a «Análise Setorial das Sociedades não Financeiras em Portugal 2012-2013», divulgada esta sexta-feira pelo Banco de Portugal (BdP).

Segundo o documento, 47,4% das empresas apresentaram resultados líquidos negativos em 2012, um aumento em relação aos 44,5% registados no ano anterior.

O aumento foi registado em todos os setores de atividade económica, com exceção da agricultura e pescas, onde foi registada uma manutenção nos 43%.

No comércio, o aumento foi de 44,5% em 2011 para 46,5% em 2012, na construção a subida foi de 44,3% para 48,2%, na eletricidade e água o crescimento foi de 44% para 44,7% e na indústria o acréscimo foi de 39,5% para 40,9%.

De acordo com a análise do BdP, em 2012, «as empresas continuaram muito dependentes de capitais alheios, com mais de 29%» das sociedades não financeiras a apresentarem capitais próprios negativos.

A dívida financeira e os créditos comerciais continuaram a ser as principais fontes de financiamento alheio das empresas, com destaque para os empréstimos bancários, cujo peso no total do passivo variou entre 20% no setor da eletricidade e água e 38% na área da construção.

Em 2012, o montante despendido pelas empresas para pagamento de juros baixou 1%.

No entanto, «a pressão financeira (avaliada em termos do peso dos juros suportados no EBITDA - resultados antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) continuou a aumentar: em média, cerca de 37% do EBITDA foi utilizado para pagamento dos juros, representando um acréscimo de 9 pontos percentuais face a 2011», refere o BdP.

Em 2012, 41% das empresas apresentaram EBITDA inferior aos juros suportados.

O estudo do BdP analisa a situação económica e financeira do setor das sociedades não financeiras em Portugal, tendo por base a informação compilada pela sua central de balanços.