O Secretário de Estado Adjunto da Economia, Leonardo Mathias, responsável pela área da defesa do consumidor, o governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, e os Conselhos de Administração do Banco BIC e do Crédito Agrícola, assinaram hoje o protocolo de adesão ao regime dos serviços mínimos bancários.



Em conferência de imprensa, o governador do Banco de Portugal elogiou o trabalho daqueles que contribuíram para a assinatura do protocolo porque se trata «de um serviço que visa uma lógica de inclusão», já que permite a todos os cidadãos, independentemente da sua situação económica, o acesso rápido a bens e serviços.

Para o Secretário de Estado Adjunto e da Economia, este protocolo «representa um fator de democratização social e de reforço da responsabilidade de cidadania, não só dos consumidores mas também dos prestadores de serviços financeiros.»

O governador do Banco de Portugal valoriza o regime de serviços mínimos bancários porque se diz «a favor da transparência, comparabilidade e capacidade de decisão por parte do cliente.»

O Banco BIC e o Crédito Agrícola somam-se às seis instituições de crédito que já disponibilizam estes serviços. Assim, o mapa de bancos que oferecem ao cliente a possibilidade de abrir ou manter uma conta de depósitos à ordem e de realizar débitos diretos e transferências interbancárias nacionais fica mais completo:



Banco BIC Português, S.A.;

Banco BPI, S.A.;

Banco Comercial Português, S.A.;

Banco Espírito Santo, S.A.;

Banco Santander Totta, S.A.;

Caixa Central de Crédito Agrícola Mútuo, CRL e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo integradas no SICAM;

Caixa Económica Montepio Geral;

Caixa Geral de Depósitos, S.A.