O sistema bancário português reforçou os rácios de solvabilidade no 2.º trimestre, divulgou esta segunda-feira o Banco de Portugal, uma melhoria dos fundos próprios que pode permitir maior resiliência para enfrentar crises futuras.

Segundo dados do regulador e supervisor bancário, houve uma melhoria do rácio de solvabilidade Common Equity Tier (CET) 1 no agregado do sistema bancário, que passou de 11,1% no primeiro trimestre para 11,6% no fim do segundo trimestre.

Esta variação é justificada pelo Banco de Portugal tanto pelo aumento dos fundos próprios como pela redução dos ativos ponderados pelo risco.

O rácio CET 1 é usado, desde o ano passado, para avaliar a qualidade do capital da instituição bancária e serve para avaliar a resiliência de um banco caso aconteçam problemas no sistema financeiro ou recessão económica.

A 17 de setembro, com vista a melhorar precisamente a solvabilidade bancária, o Banco de Portugal publicou um aviso a pedir para os bancos anteciparem a reserva de conservação de seus fundos próprios, que tem de representar 2,5% dos ativos ponderados pelo risco a partir de 2016.

“O Banco de Portugal considera que a antecipação da aplicação da reserva de conservação de fundos próprios, com vista a promover o reforço dos níveis de solvabilidade, contribui para uma maior resiliência do sistema financeiro”, lê-se no aviso publicado então em Diário da República.