Daqui a dez dias os britânicos dizem se querem ficar na União Europeia mas as bolsas começam a temer os danos de um “não”.

Toda a Europa acordou no vermelho com o PSI20 a não ser exceção e perder 1,17% para 4.648,17, um mínimo desde Fevereiro.

Na praça nacional, e das ações que compõe o índice principal só uma está em alta. O Montepio que ganha 0,18% para 0,55 euros.

De resto sinal vermelho. Ainda na banca, o BCP desce 3,64% para 0,0212 a tocar os mínimos já atingidos na semana passada. Numa altura que que os analistas continuam a afirmar que o banco é penalizado pelo conjuntura no setor financeiro, em Portugal e por toda a Europa. Além de não estar descartada a hipótese de um aumento de capital.

Mas é da energia que vêm os piores incentivos ao PSI20. É que a matéria-prima está a desvalorizar, pela terceira sessão, devido ao aumento dos poços de petróleo ativos nos Estados Unidos e das perspetivas de mais produção por parte do Irão - mais 600 a 700 mil barris por dia ao longo dos próximos cinco anos.

O petróleo negoceia abaixo dos 50 dólares por barril e a Galp derrapara 0,9% para 12 euros; a EDP cai 0,24% para 2,89 euros, a Renováveis desvaloriza 1,29% para 6,226 euros e a Ren é penalizada em 0,38% para 2,607 euros.

Pelo peso que tem no PSI20 destaque ainda para a Jerónimo Martins, que desce 0,83% para 13,655 euros.