Nuno Amado, presidente executivo do BCP, considerou que a antecipação da entrada em funções da nova comissão executiva do BES é «uma evolução muito positiva» e os primeiros passos para a estabilização do banco.

Nuno Amado falava à margem da sessão de encerramento das Jornadas Empreendedorismo Agrícola «Cultivar o Futuro» onde aproveitou para dizer que a nova gestão do Banco Espírito Santo é «uma equipa respeitada, conceituada, profissional e independente de interesses», considerando que nessa perspetiva «no final do fim-de-semana passado, começou-se a dar os passos claros para a estabilização do banco», o que «é muito positivo».

O BES comunicou na segunda-feira ao mercado a cooptação de Vítor Bento, José Honório e João Moreira Rato para os cargos de presidente, vice-presidente da comissão executiva e administrador financeiro da instituição, respetivamente.

Questionado sobre a exposição do BCP ao Grupo Espirito Santo, Nuno Amado afirmou que não pode confirmar informação sobre clientes.

«Nunca o fizemos e não vamos fazer. A exposição que temos ao Grupo é diversificada, está muito focada nas empresas muito operacionais do grupo e está razoavelmente bem coberta», disse.

Nas últimas semanas, foram tornados públicos vários problemas no Grupo Espírito Santo (GES), a que se juntam alterações na gestão do BES, com a saída do líder histórico do banco, Ricardo Salgado.