O Banco Central Europeu (BCE) prolongou esta quarta-feira o acesso dos bancos gregos ao mecanismo de empréstimos de emergência, que tem sido uma tábua de salvação para o setor bancário helénico, aumentando o teto para 68,3 mil milhões de euros.

A informação é avançada pela agência de notícias francesa (AFP), que cita uma fonte do setor bancário.

«O aumento foi aprovado», adiantou à AFP uma fonte próxima do processo, afirmando que foi também decidido o aumento do limite máximo para a concessão de empréstimos de emergência (ELA) aos bancos gregos para 68,3 mil milhões de euros.

Estes empréstimos têm funcionado como um 'pára-quedas' para os bancos gregos, atormentados por problemas de liquidez, enquanto prosseguem as negociações entre Atenas e os credores acerca da dívida soberana.

A Grécia vai submeter já esta quinta-feira um  pedido à zona euro para que seja estendido o empréstimo ao país por mais seis meses. Inicialmente foi divulgado que esse pedido poderia ser anunciado já hoje, mas acabou por ser adiado. 

Entretanto, a   Comissão Europeia aguarda uma proposta escrita de Atenas antes de se pronunciar sobre uma eventual prorrogação do programa de ajustamento.  

Recorde-se que já houve duas reuniões do Eurogrupo que terminaram sem qualquer entendimento. Ainda ontem o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, afirmou que a «Grécia não aceita ultimatos».