O presidente da Comissão Europeia garante que a União Europeia fará tudo o que «estiver ao seu alcance» para que os sacrifícios em Portugal tenham resultados.

Durão Barroso falava aos jornalistas no Parlamento Europeu, em Estrasburgo, onde esta manhã teve lugar um debate sobre a cimeira de chefes de Estado e de Governo da União Europeia, agendada para quinta e sexta-feira, em Bruxelas.

Na cimeira europeia desta semana, o presidente da Comissão irá «fazer pressão com os governos para que cumpram aquilo com que se comprometeram, nomeadamente quanto à luta contra o desemprego juvenil e quanto ao financiamento da economia, sobretudo às pequenas e médias empresas», prometeu. Além disso, vai defender a proposta da Comissão Europeia para incluir uma «dimensão social» no processo de união económica e monetária.

Esta manhã, durante o debate no Parlamento Europeu, Durão Barroso confessou-se «desapontado» com a falta de ambição dos Estados-membros em matéria de financiamento da economia, e designadamente de apoio às pequenas e médias empresas, sublinhando a importância da fluidez do crédito.

«Para além dos objetivos a que estamos obrigados no que diz respeito ao défice e à dívida temos de tomar também em consideração os indicadores relativos ao desemprego, ao risco de pobreza, ao poder de compra das famílias, para termos assim mais equilíbrio na aplicação de políticas que são indispensáveis, como a consolidação orçamental ou as reformas estruturais», sustentou, citado pela Lusa.

Neste contexto, o chefe do executivo comunitário manifestou confiança de que os líderes europeus cheguem a um consenso sobre estes pontos, «sobretudo agora, em que há sinais cada vez mais claros de recuperação da economia europeia».

«Os últimos números que nos chegaram confirmam essa tendência, já estamos fora da recessão, tecnicamente, e começa a haver um crescimento que, a meu ver, se vai consolidar. Se for assim, isto é muito bom para Portugal, até porque permitirá a Portugal recuperar alguns dos seus mercados tradicionais das exportações, e vamos fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para que os sacrifícios que os portugueses têm vindo a fazer tenham resultados, valham mesmo a pena», assegurou.

Durão Barroso defendeu contudo que «para além do trabalho que está a ser feito em Portugal é necessário que a Europa venha a recuperar».