O Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários (SNQTB) reforçou o seu fundo de greve para oito milhões de euros, um valor 20 vezes superior ao existente à data da entrada em funções dos atuais órgãos sociais.

Informamos que o Conselho Geral aprovou a proposta da direção para o reforço do fundo de greve previsto nos estatutos, passando este a corresponder, em 31 de dezembro de 2017, a cerca de oito milhões de euros. Este valor representa a afetação de uma quantia para aquele fim cerca de 20 vezes superior ao existente aquando da entrada em funções dos atuais órgãos sociais", lê-se num comunicado interno do SNQTB a que a agência Lusa teve hoje acesso.

O objetivo deste reforço, explica, é, caso o sindicato venha a declarar uma greve, consolidar “os meios que permitirão assegurar o pagamento da retribuição dos sócios que pretendam exercer esse direito.”

Embora o tempo que vivemos e os seus desafios imponham uma atuação inovadora e sempre presente por parte dos sindicatos, de modo a que cumpram os seus fins, a greve continua a ser um instrumento de luta sindical inteiramente legítimo, mesmo enquanto último recurso”, refere o documento.

Presidida por Paulo Gonçalves Marcos, a atual direção do SNQTB foi eleita para o quadriénio 2015-2019.