São cada vez mais caras as comissões cobradas pelos bancos aos titulares de contas, tanto pela manutenção dos serviços como pelo simples processamento da prestação no crédito à habitação, ou pela utilização de cartões de débito.

Só no último ano, o preço médio que foi pago por ano por cada cartão subiu 22%, e nas anuidades seguintes ao primeiro ano o valor duplicou.

Os campeões na cobrança de comissões são o BCP, a Caixa Geral de Depósitos e o BPI. Cada um obriga o titular de um cartão de débito a pagar 15,60 euros por ano. Os que encaixam menos comissões são o Crédito Agrícola e o Montepio, que cobram 8,84 euros anualmente, por cartão.

No crédito à habitação, as comissões dos bancos subiram 8% desde o ano passado. As mais caras são cobradas pelo Santander Totta, Novo Banco e pela Caixa Geral de Depósitos. Quem cobra menos é o BIC, que leva pouco mais de um euro por ano.

Quanto aos custos de manutenção de conta, entre 13 bancos, apenas quatro têm taxas fixas: o Barclays, BBVA, Caixa Geral de Depósitos e Novo Banco.

As contas com saldo superior a três mil euros tiveram um agravamento de 170%.

A DECO defende que a culpa dos aumentos é do Banco de Portugal que faz apenas recomendações e não impõe regras claras que limitem o valor das comissões.