A Comissão Europeia considerou, neste sábado, que os testes de 'stress' ao setor bancário europeu, publicados pela Autoridade Bancária Europeia (EBA) na sexta-feira, confirmam que as entidades da União Europeia (UE) são cada vez mais resistentes.

O executivo comunitário disse também que "tomou nota" do aumento de capital de 5.000 milhões de euros anunciado pelo italiano Monte dei Paschi di Siena, o único banco europeu com um nível de capital abaixo do exigido.

Os testes de 'stress' de 2016 publicados pela EBA confirmam sobretudo que os bancos são crescentemente resistentes", disse à agência Efe um porta-voz da Comissão Europeia, que recordou que a instituição dá grande importância a estes testes como uma forma para avaliar a saúde do setor bancário da UE e fortalecer a confiança num sistema financeiro sólido.

A porta-voz recordou que desta vez os testes não incluíram um limite mínimo de capital, tendo-se focado em avaliar a dimensão da erosão de capital que dinâmicas de mercado adversas hipotéticas em diferentes bancos poderiam provocar.

Este exercício será uma contribuição importante para o processo de supervisão em 2016", acrescentou.

Sobre a situação dos bancos italianos e em concreto o Monte dei Paschi di Siena, a responsável disse que a Comissão "toma nota" do aumento de capital anunciado e que este processo "está completamente em linha com as regras da UE", considerando, no entanto, que o banco deveria esclarecer se qualquer necessidade de capital adicional será acautelada com fundos conseguidos no mercado ou através do setor privado.

Monte dei Paschi di Siena, o terceiro maior banco de Itália, foi a entidade com pior resultado nos testes de 'stress', tendo um rácio negativo de 2,33%, o que levanta dúvidas sobre a sua solvência, temendo as autoridades que possa contagiar o resto da banca italiana e afetar também o setor bancário.

Dos cinco bancos italianos analisados, que juntos conseguiram uma nota de 7,7%, quatro estão na metade mais baixa do 'ranking' feito pela EBA e um deles, o UniCredit, é o quarto pior posicionado, com um rácio de 7,21%.