A agência de notação financeira DBRS colocou esta sexta-feira o «rating» BBB (baixo) do Banco Espírito Santo (BES) em revisão com implicações negativas, devido à pressão que o banco está a sofrer nos rácios estruturais.

A informação foi colocada pelo BES no sítio da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

Em comunicado, a empresa baseada em Toronto, Canadá, identifica as fontes daquela pressão como sendo o Banco de Portugal e as mudanças na gestão de topo, bem como a situação na subsidiária angolana, o Banco Espírito Santo Angola (BESA).

A DBRS particularizou que a análise pelo banco central de negócios do Grupo Espírito Santo (GES) evidenciou algumas questões na Espírito Santo International (ESI), a holding no topo do GES.

Adiantou também que as mudanças na administração aumentaram «as preocupações da DBRS com os empréstimos intra grupo, os procedimentos de gestão de risco e a qualidade e independência dos gestores seniores».

A DBRS exprimiu ainda preocupações relativas ao BESA, «que tem problemas potenciais na sua carteira de crédito de seis mil milhões de euros, que precisou de uma garantia do governo angolano, em dezembro de 2013».

Também esta sexta-feira, a DBRS informou, no sítio na internet, que desceu o «rating» do Espírito Santo Financial Group de BBB (baixo) para B, colocando a instituição financeira sob análise, com implicações negativas.