Com a venda, por 1 euro, do Banco Popular ao Santander, há implicações desta operação também para Portugal. A filial portuguesa será integrada no grupo espanhol, que em Portugal está representado pelo Santander Totta.

Ora, o Santander Totta, que ainda em dezembro de 2015 comprou o Banif, reforçará a quota de mercado em território nacional com esta aquisição do Popular por parte da sua casa-mãe. Torna-se o maior banco privado em Portugal, superando o BCP em ativos e em balcões (veja o grafismo no vídeo, em cima).

A entidade liderada por Vieira Monteiro já emitiu um comunicado a congratular-se com o negócio e dirigindo uma mensagem a colaboradores e clientes do Banco Popular. "Como resultado desta operação, o Banco Santander Totta incorporará o Banco Popular Portugal, criando as condições para desenvolver ainda mais a sua atividade de apoio às famílias e empresas portuguesas", começa por dizer, para reforçar de seguida:

A decisão hoje tomada garante aos clientes do Banco Popular Portugal e aos seus cerca de 1.000 colaboradores os benefícios da solidez e confiança que são reconhecidos ao Santander Totta".

Totta pede ajuda aos seus trabalhadores na transição

Os funcionários do Santander Totta receberam, entretanto, uma mensagem do seu presidente, na qual Vieira Monteiro considerou que a integração do Banco Popular Portugal será "um grande desafio" e garantiu que "serão criadas as melhores condições de acolhimento" para os 1.000 novos funcionários.

Para o enfrentar conto com a colaboração de todos vós para respondermos às necessidades dos nossos novos clientes e darmos o nosso contributo ao sistema financeiro e à economia portuguesa".

O gestor explicou que "seguir-se-ão agora os necessários procedimentos para a integração jurídica do Banco Popular” e, sobre os trabalhadores que o Santander também integrará, afirmou estar certo de que os funcionários atuais do Santander Totta criarão "as melhores condições de acolhimento para os novos colaboradores".

Entretanto, o supervior da banca, o Banco de Portugal, veio tentar tranquilizar os clientes do Banco Popular em Portugal, garantindo que as poupanças estão protegidas e o banco vai continuar a funcionar normalmente.

No comunicado que fez chegar às redações de manhã, o Santander Totta enaltece que, com esta aquisição, "mais de 21 milhões de clientes nos dois países passarão a beneficiar de uma muito mais ampla rede de balcões e de uma mais larga oferta de produtos e de serviços".

Constata, igualmente, que o Banco Santander torna‐se no maior banco em Espanha, ao mesmo tempo que o Banco Santander Totta passa a ser "o maior banco privado em Portugal" em "ativos e crédito e um dos maiores em termos de recursos", enfatizando o "o apoio às empresas e às famílias portuguesas". As contas do banco apontam para uma quota a rondar os 17%.

A entidade liderada por Vieira Monteiro sublinha aquilo que foi anunciado, esta manhã, pelo grupo Santander: um aumento de capital de 7.000 milhões de euros, para garantir o capital e as provisões necessárias para que o Banco Popular "possa operar com normalidade". Se as necessidades são estas, isso quer dizer que o Banco Popular estava à beira da falência.