O BES, que ficou conhecido como “banco mau” depois do resgate que criou o novo Banco, tem um buraco nas contas de 2.400 milhões de euros, apurou a TVI.

Um ano depois da queda do Banco Espírito Santo, além de uma dívida gigantesca, o BES ficou com ativos, muitos deles tóxicos, que só valem 193 milhões de euros.
Nas contas do banco mau ficaram ainda as provisões dos clientes do papel comercial e também a divida à Venezuela.

O Banco Espírito Santo é hoje uma instituição feita praticamente de dívidas: no total, são 2.614 milhões de euros, e com muito poucos ativos que permitam pagar.

Na altura da separação, o banco mau herdou ativos de mil milhões de euros, que na realidade valem apenas 193 milhões. Este dinheiro que não chega sequer para pagar um décimo das dívidas e ainda indemnizar os credores, entre eles os acionistas.
No último ano, a administração que está a gerir a insolvência do BES ainda conseguiu recuperar 85 milhões de euros.

Nas contas a que a TVI teve acesso, transitaram também mil milhões de euros de provisões, que já estão contabilizados na dívida, inlcuindo os 667 milhões para os clientes do papel comercial. Esta provisão chegou a estar nas contas do Novo Banco, mas acabou por ser colocada no banco mau.

As dívidas à Venezuela também estão no banco falido, assim como o empréstimo à Goldman Sachs.


O BES está em processo de insolvência mas a liquidação só acontece quando a instituição perder a licença bancária. A decisão cabe ao Banco Central Europeu, mas o pedido terá que ser feito pelo Banco de Portugal.