O Banco Espírito Santo parece não ter dinheiro para continuar a pagar a reforma de Ricardo Salgado e dos restantes administradores que estiveram em funções até 2014.

As reformas da antiga direção do BES totalizam 13 milhões e meio de euros e estão a ser pagas pelo "banco mau", pois a responsabilidade pelo pagamento das pensões a ex-administradores do BES não foi transferida para o Novo Banco.

Como a TVI avançou há dias, o BES tem um buraco de 2,4 mil milhões de euros e não tem expetativa de gerar lucros para colmatar os prejuízos. Além de uma dívida gigantesca, o BES ficou com ativos, muitos deles tóxicos, que só valem 193 milhões de euros. 

Por isso, o Correio da Manhã avança que o BES pode deixar de pagar as reformas à anterior administração.

O antigo presidente do BES, recorde-se, está em prisão domiciliária desde 25 de julho, no âmbito das investigações que relacionadas com o universo Espírito Santo.