Se até maio tinha caído 200 milhões de euros, em junho a dívida pública aumentou 1,8 mil milhões de euros até junho. Alcançou assim, no final do primeiro semestre, 249,1 mil milhões de euros, segundo o Banco de Portugal, que apresenta dados na ótica de Maastricht, que é aquela que conta para Bruxelas.

Esta variação reflete emissões líquidas de títulos de 2,9 mil milhões de euros e uma diminuição de empréstimos de 1,3 mil milhões de euros, essencialmente por via do reembolso antecipado de empréstimos do Fundo Monetário Internacional (1,0 mil milhões de euros)”.

A Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) reembolsou ao Fundo Monetário Internacional (FMI) mais cerca de 1.750 milhões de euros em julho, o que significa que Portugal já pagou 60% do empréstimo concedido por este credor.

Ainda segundo os dados publicados hoje pelo Banco de Porutgal, os ativos em depósitos da administração central aumentaram 0,5 mil milhões de euros. Já a dívida líquida destes depósitos subiu 1,3 mil milhões de euros em relação a maio, totalizando 229,4 mil milhões de euros.

Veja também: