O diretor e diretor-adjunto do departamento de Supervisão Prudencial do Banco de Portugal, Luís Costa Ferreira e Pedro Machado, apresentaram a demissão ao regulador.

 

Em comunicado enviado às redações, o BdP esclarece que os pedidos foram fundamentados «na intenção de desenvolverem novos projetos profissionais».

 

O Diário Económico, citando fontes oficiais, tinha avançado que o Banco de Portugal avisou a Direção Geral da concorrência da União Europeia na tarde de 30 de julho, sobre os prejuízos recorde que o BES iria divulgar nessa noite e que precipitariam a intervenção do Estado.

 

A Comissão Europeia tinha assegurado que recebeu a notificação da resolução do Banco Espírito Santo a 03 de agosto, apontando que a data de 30 de julho que consta do processo se refere à «monitorização da situação».

 

Numa audição no parlamento, o governador do Banco de Portugal assegurou que a resolução do BES foi decidida a 01 de agosto, e remeteu para a Direção Geral da Concorrência da Comissão Europeia esclarecimentos sobre a data de 30 de julho que consta de um documento sobre o processo de resolução do BES.