"O caso BES marcou o ano de 2014, mas não marcou o mandato", disse Carlos Costa, adiantando que "os méritos do governador são os méritos da equipa", em resposta ao deputado Pedro Nuno Santos quando o questionou sobre a sua atuação como supervisor no tema do Banco Espírito Santo.