O Banco de Portugal está a preparar os planos de resolução dos bancos que supervisiona e que serão adotados caso estes entrem em dificuldades, disse esta quinta-feira a instituição em comunicado.

Em julho, os bancos com uma quota de mercado nos depósitos acima de 2% enviaram as informações necessárias ao Banco de Portugal (BdP), que está agora a «desenvolver as atividades inerentes à preparação de planos de resolução para aquelas instituições», lê-se na nota divulgada.

Para isso, o supervisor está a realizar «ações de observação presencial» nos bancos com o objetivo de «conhecer e compreender melhor as formas de atuação e funcionamento de cada uma», dando especial atenção aos procedimentos relacionados com os sistemas de pagamentos, sistemas e tecnologias de informação e comunicação, segurança física e também à preparação de informação financeira.

Durante os próximos meses, acrescenta o Banco de Portugal, estas ações serão estendidas a outros bancos.

Desde o início do ano, a instituição liderada por Carlos Costa tem poderes reforçados para intervir em bancos numa situação financeira difícil.

As medidas previstas no novo regime de saneamento dos bancos contemplam três fases de intervenção pelo Banco de Portugal, as fases de intervenção corretiva, administração provisória e resolução.

O supervisor pode estabelecer mecanismos de intervenção preventiva e corretiva nos bancos, criando uma fase de administração provisória pelo supervisor, e definir os termos de uma eventual liquidação de algum banco.