O Banco de Portugal refere esta quarta-feira que o sistema bancário "continua pressionado pelos ainda baixos níveis de rendibilidade" provocados pela excessiva exposição ao imobiliário, à dívida soberana ou a países específicos como Angola, Brasil e China.

No comunicado sobre o Relatório de Estabilidade Financeira o supervisor frisa que "a vulnerabilidade do sistema financeiro nacional é acentuada pelo facto de este manter exposições significativas a determinadas classes de ativos, como os ativos imobiliários e os títulos de dívida soberana, e a países ou regiões específicas", principalmente Angola, China e Brasil.

Sublinhe-se que os ativos imobiliários representam atualmente cerca de 40% do total de ativos do setor financeiro.

Para o Banco de Portugal (BdP), o regresso da banca aos lucros de uma forma sólida só é possível através da continuação de corte nos custos e de uma aposta na diversificação de fontes de receitas, pois o contexto económico, apesar de uma melhoria significativa nos últimos anos, ainda está com vários pontos de interrogação.

"A rendibilidade do sistema bancário voltou a atingir níveis positivos", refere o comunicado, mas para este aumento "contribuíram o aumento da margem financeira e dos resultados de operações financeiras, e a redução do fluxo de imparidades de crédito".

Apesar destes desafios, o Banco de Portugal ressalta que nos últimos anos, o sistema bancário verificou progressos "na posição estrutural de liquidez e uma melhoria significativa dos níveis de solvabilidade", sendo que "o ajustamento verificado deve ser avaliado como um passo inicial num processo, necessariamente longo, de correção de desequilíbrios profundos".