As empresas aumentaram ligeiramente a procura de empréstimos de curto prazo no terceiro trimestre, uma tendência que se deverá acentuar nos últimos meses deste ano, segundo um inquérito do Banco de Portugal ao mercado de crédito.

 

Os resultados do inquérito realizado em outubro a cinco grupos bancários apontam para uma estabilização da procura global de empréstimos durante o terceiro trimestre, tendo ocorrido, no entanto, um ligeiro aumento da procura de empréstimos de curto prazo por parte das empresas.

 

Para o quarto trimestre, os bancos antecipam um aumento da procura de empréstimos por parte das empresas, o qual deverá estar associado às pequenas e médias empresas e aos empréstimos de curto prazo.

 

Já no caso dos particulares não são antecipadas alterações da procura no segmento da habitação, mas existem expetativas de um ligeiro aumento no segmento do consumo e outros fins até ao final do ano.

 

Segundo os bancos, os critérios de concessão de crédito e as condições aplicadas nos empréstimos ou linhas de crédito a empresas e particulares não registaram alterações significativas entre julho e setembro.

 

Contudo, uma instituição reportou um aumento da restritividade, o qual foi mais acentuado nos empréstimos às grandes empresas e nos empréstimos de longo prazo.

 

As restantes quatro instituições bancárias apontaram a concorrência como um fator que contribuiu ligeiramente para diminuir a restritividade dos critérios de aprovação de empréstimos.

 

«No segmento das empresas e dos particulares para aquisição de habitação continuou a verificar-se uma redução dos spreads aplicados nos empréstimos de risco médio, que não se observa nos spreads aplicados aos empréstimos de maior risco», lê-se no documento divulgado esta quinta-feira pelo Banco de Portugal.