As remessas dos portugueses em 2014 subiram 1,3%, ultrapassando os 3 mil milhões de euros, para 3,057 milhões, ao passo que o dinheiro dos imigrantes em Portugal subiu 3,8% para 534,8 milhões de euros.

Onde houve uma queda bastante significativa em dezembro foi em Angola, país onde as remessas caíram em dezembro 51,5% face a dezembro do ano anterior, para 16,7 milhões de euros, indicam os dados divulgados esta segunda-feira no boletim estatístico.

Segundo os números, que se referem ao último mês do ano passado, os portugueses a trabalhar em Angola enviaram para Portugal 16,7 milhões de euros, quando em dezembro de 2013 tinham enviado para o seu país cerca de 34,5 milhões de euros.

Os dados confirmam as dificuldades que têm vindo a ser noticiadas relativamente ao envio de divisas em moeda estrangeira para fora de Angola, num contexto de forte quebra do preço do petróleo, das receitas fiscais e da escassez de divisas estrangeiras, nomeadamente dólares.

No caso inverso, ou seja, o montante das verbas que os angolanos a trabalhar em Portugal enviaram para o seu país, a variação é também significativa: em dezembro, enviaram 2,27 milhões de euros, face aos 1,81 milhões enviados no mesmo mês de 2013, o que mostra uma variação positiva de 25,4%.

Os emigrantes em França foram os que mais enviaram dinheiro para Portugal durante o ano passado, totalizando 882 milhões de euros, seguidos de perto pelos portugueses na Suíça, cujas remessas ultrapassaram os 812 milhões de euros.

De acordo com o Boletim Estatístico, divulgado pelo Banco de Portugal, contando apenas com o mês de dezembro, as remessas caíram 6,4%, de 350 para 328 milhões de euros, ao passo que o dinheiro que saiu de Portugal caiu 3,1%, de 52 para 50 milhões de euros