O Banco Central Europeu (BCE) defende o aumento da idade da reforma em vez de reduzir as pensões. Um estudo do banco central revela ainda que Portugal é um dos países mais envelhecidos da zona euro.

Mas a solução que o BCE agora avança, aponta um rumo já traçado em Portugal desde 2008.

No estudo, sobre os impactos económicos do envelhecimento e dos sistemas de pensões, o banco conclui que este é um dos temas mais importantes para o futuro. Com grandes implicações macroeconómicas e fiscais para a zona euro.

O envelhecimento da população, resultado da queda da natalidade e do aumento da esperança de vida, vai pressionar os sistemas públicos de pensões e as próprias economias.

Diz o relatório que apenas o aumento da idade da reforma pode minimizar os impactos mais adversos porque reduzir as pensões servirá de "muito pouco".

Na lista dos países mais envelhecidos aparecem, no estudo, a Alemanha, Grécia, Itália e Finlândia, além de Portugal.

A redução do potencial de crescimento, a menor oferta de trabalho e os crescentes encargos com pensões são os desafios identificados e os fatores de maior pressão sobre as pensões nos países da moeda única.

O BCE diz ainda que estas conclusões não se aplicam especificamente a algum país. Ainda assim avisa que é preciso carregar no acelerador porque o ritmo das reformas, já implementadas, tem vindo a desacelerar.