O presidente do Banco BIC Portugal, Luís Mira Amaral, admitiu esta terça-feira que as pequenas e médias empresas (PME), com capital social reduzido, têm problemas de liquidez.

«Não há um problema grave ao nível da liquidez do sistema bancário, contudo o problema tem a ver com as empresas, as PME, que têm um capital social muito reduzido», disse Mira Amaral, sublinhando que esse não é um problema que tenha de ser resolvido pelos bancos comerciais, escreve a Lusa.

Mira Amaral falava na conferência The Lisbon Summit, organizada pela revista The Economist, que decorre hoje e na quarta-feira no Hotel Cascais Miragem, durante a qual afirmou que «os bancos têm de continuar a implementar uma gestão rigorosa de política de crédito» e defendeu que é preciso «desenvolver os mercados de capitais para as PME».

Já para as empresas exportadoras em boa situação financeira, Mira Amaral considera não haver um problema de liquidez bancária, quanto a linhas de crédito.

O presidente do BIC Portugal considerou ainda que Portugal tem um problema no setor imobiliário e afirmou que, na maioria das empresas, os grandes problemas não estão nos empréstimos atribuídos pelos bancos, «mas no valor do mercado imobiliário».

O responsável afirmou que Portugal vai «continuar com problemas ao nível do sistema bancário e com constrangimentos ao nível macroeconómico após a saída da troika».

Ainda assim, sublinhou que as perspetivas no sistema bancário «são muito melhores do que há dois anos».

Mira Amaral defendeu ainda que a união bancária «seria importante no sentido de eliminar as ligações perigosas entre a dívida soberana e outros aspetos económicos dos países», «mas não chega», sendo necessário haver «uma união política para resolver outros aspetos».