Os bancos gregos precisam de um reforço de capital na ordem dos 14.400 milhões de euros para fazer face ao cenário mais adverso dos testes de stress do Banco Central Europeu (BCE).
 
De acordo com o comunicado da instituição monetária, foi este o buraco identificado nos testes de stress aos quatro principais bancos gregos.
 
Debaixo da lupa do BCE estiveram o Alpha Bank, Eurobank, Piraeus Bank e National Bank of Greece.
 
O valor dos ativos das quatro instituições foi revisto em baixa mais de 9 mil milhões de euros, em grande parte devido à desvalorização de ações que detêm, o que vai obrigar as instituições a fazer provisões.
 
Mesmo no cenário mais otimista, os quatro bancos precisam de pelo menos, 4 mil e 400 milhões de euros.
 
Os bancos têm agora até dia 6 de novembro para comunicar ao BCE como pretendem preencher este buraco de capital.
 
A recapitalização dos bancos vai ser feita ao abrigo do programa de ajustamento grego e deve estar concluída até ao final do ano.