Termina esta quarta-feira o prazo para os interessados na compra do Novo Banco formalizarem essa mesma manifestação de interesse.

Na corrida já estão o BPI e o Santander, que confirmaram oficialmente o interesse. Já os chineses da Fosun, o private-equity Apollo (que está na reta final de compra da Tranqulidade) e o Banco Popular já revelaram o interesse, mas ainda não o confirmaram oficialmente.

Termina assim às 17h00 esta primeira fase, obrigatória para quem quer permanecer na corrida. Depois virá a apresentação de propostas não vinculativas.

Recorde-se que o Novo Banco foi alvo de uma injeção de capital de 4,9 mil milhões de euros, na sequência do resgate ao Banco Espírito Santo. O Estado financiou 3,9 mil milhões, enquanto o Fundo de Resolução disponibilizou o restante.

O principal critério de escolha será mesmo o fator preço, mas o caderno de encargos lista mais dois critérios a disponibilidade para adquirir a totalidade dos ativos colocados à venda e dos planos estratégicos e de desenvolvimento para o Novo Banco, tendo em conta o impacto geral da operação na concorrência e estabilidade financeira do sector bancário em Portugal.

A Comissão Europeia terá a última palavra na escolha.