É a pergunta que vale milhões: por quanto vai ser vendido o novo banco? Talvez mais do que inicialmente se previa.
Para chegar ao preço é preciso ordenar fatores. Do resgate do velho BES em agosto de 2014 nasceu o Novo Banco.

A intervenção custou 4.900 milhões de euros ao fundo de resolução, dinheiro que foi avançado pela banca e pelo Estado.Três meses depois o governador Carlos Costa já admitia que para vender o banco seria necessário um preço apelativo, com desconto.

Considerando um desconto de mercado aceitável de 30%, o valor do banco desce para 3.400 milhões de euros. Mas o valor melhorou entretanto quando o novo banco deixou de ser responsável pelo empréstimo de 780 milhões da Oak Finance e do Goldman Sachs, porque a obrigação ficou no BES «mau».

Com a solução encontrada para o BES Angola, o Novo Banco recuperou também 660 milhões.

Tudo somado, o Novo Banco parece valer perto de 5 mil milhões de euros. E quem o comprar vai poder descontar 2.800 milhões em impostos diferidos, diluídos em 5 anos.

A corrida à compra já deixou 12 candidatos pelo caminho. Há agora cinco interessados: um espanhol, dois chineses e dois norte-americanos.

O encaixe da venda irá ditar o sucesso ou o fracasso do resgate do BES,liderado pelo governador do Banco de Portugal e abençoado pelo Governo.

E é sobre estas entidades que pode recair a herança mais pesada, porque depois da venda fica a restar um problema chamado litigância de proporções desconhecidas. Os inúmeros processos na justiça podem arrastar-se durante anos e resultar em penas pesadas que alguém terá de pagar. E os contribuintes não estão a salvo.

Segundo o Expresso, as propostas chinesas estão na dianteira, mas ainda assim não chegam aos 4,9 mil milhões de euros.