O Banco Central Europeu não tem poderes formais para viabilizar ou opor-se à venda do Novo Banco por qualquer investidor, escreve o Jornal de Negócios.

De acordo com as regras do mecanismo único de supervisão, apenas o Banco de Portugal, enquanto autoridade de resolução, tem competência para decidir sobre o comprador do banco em transição. O BCE deverá ser chamado a avaliar a operação, mas apenas numa base informal.

É uma exceção, prevista nas regras europeias, ao poder atribuído ao BCE sobre a aquisição de participações qualificadas em instituições financeiras.

O banco central aprovou a entrada da Anbang no setor bancário europeu, ao aprovar a aquisição da operação belga do banco holandês Delta Lloyd. O acordo de compra foi fechado em dezembro mas a operação só foi concretizada a 22 de julho.