Mais de 90% dos clientes a retalho do Novo Banco aceitaram a proposta da instituição, que permite desbloquear as aplicações em obrigações de muito longo prazo que beneficiavam e garantia de liquidez, revela o Negócios.

Na prática, aceitaram transformar as aplicações em depósitos a prazo, o que permitirá aos investidores recuperar a totalidade do capital investido no prazo de um a três anos, segundo cálculos da instituição.

Para o Novo Banco, esta adesão aumentará os depósitos num valor que deverá ser próximo de 800 milhões de euros.

O primeiro depósito foi constituído com a receita gerada pela venda das obrigações e tem um prazo de 36 meses. Não pode ser desmobilizado no primeiro ano e paga uma taxa de juro crescente, que começa em 2% ao ano e chega a 4,25% no vencimento.

Para permitir aos clientes recuperar o capital investido, o banco constituiu um segundo depósito cm um valor correspondente a 75% da diferença entre a receita da venda das obrigações e o valor inicialmente aplicado pelos clientes.

Esta aplicação tem um prazo de dez anos e paga uma taxa de juro anual de 4,25%, não podendo ser resgatada nos primeiros 12 meses.