O chefe da missão do FMI para Portugal, Subir Lall, afirmou esta terça-feira que o Fundo «não tinha mandato nem autoridade» para supervisionar os bancos, reiterando que o objetivo do programa era assegurar a estabilidade financeira sistémica e que «isso foi garantido».

«Não exigimos nada às autoridades porque não desempenhamos o papel de supervisores. Não tínhamos o mandato ou a autoridade para supervisionar os bancos», afirmou Subir Lall numa conferência hoje em Lisboa quando questionado sobre se o Fundo teve conhecimento dos problemas detetados no Banco Espírito Santo (BES) durante o programa de resgate.

«Se trabalhámos com os bancos? Sim. A questão é que temos de olhar para que servia o programa? Era para garantir a estabilidade financeira sistémica e isso foi garantido», disse ainda o responsável durante uma conferência promovida pela Ordem dos Economistas.


O presidente do Conselho de Administração do BPI, Fernando Ulrich, criticou hoje a atuação da troika no que refere ao BES, lamentando em concreto a atuação do Banco Central Europeu (BCE).

«O banco que não precisava de capital público estoirou e a troika não percebeu (...) Causa-me alguma perplexidade por que é que o BCE terá sido tão violento com o BES e anda com os bancos gregos ao colo. Por que é que foi tão duro e exigente com o BES?», questionou Ulrich na comissão parlamentar de inquérito à gestão do BES e do Grupo Espírito Santo (GES).