O Deutsche Bank vai cortar cerca de 35 mil postos de trabalho até 2018. Segundo o maior banco alemão, nove mil empregos vão efetivamente ser extintos, 20 mil colaboradores externos vão ser dispensados e enquanto os restantes pertencema ativos que irão ser vendidos.

A medida faz parte do plano de reestruturação que o banco quer levar a cabo até 2020, prevendo poupar aproximadamente 3,8 mil milhões de euros até 2018. Para isso, o pagamento de dividendos também vai ser suspenso por dois anos.

O banco vai também fechar filiais na Alemanha e sair de 10 países, incluindo Argentina, Chile, México, Peru, Dinamarca, Finlândia e Noruega.

Está a ser um ano negro para o banco alemão, depois dos presidentes executivos Anshu Jain e Juergen Fitschen terem renunciado aos cargos em junho, na sequência de uma série de escândalos no banco que falhou as metas de lucro para este ano.

Recorde-se que em abril as autoridades dos Estados Unidos e do Reino Unido multaram o Deutsche Bank em 2,5 mil milhões de dólares, a maior multa aplicada no âmbito de uma investigação que decorreu ao longo de sete anos. Em causa está a manipulação de taxas interbancárias, incluindo a Libor.