O Banco de Fomento vai arrancar com um capital social mínimo de cerca de 100 milhões de euros, um valor que deve evoluir para o dobro ao longo do ano, para poder disponibilizar linhas de crédito de várias instituições multilaterais e bancos de fomento congéneres, escreve o Diário Económico.

Para constituir o capital social do banco, o Governo vai integrar na nova instituição a capital de risco pública, Portugal Ventures, a PME Investimento, Sociedade de Garantia Mútua e a Sofid.

A participação de privados mais pequena está na SPGM, com 6,5%, subindo para 17% na PME Investimentos, 20% na Portugal Ventures e 40% na Sofid.