O BPI, banco liderado por Fernando Ulrich, anunciou esta quarta-feira, em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) que vai avançar com a separação dos negócios que tem em Angola.

Assim, o banco vai transferir para uma nova empresa 50,1% do Banco de Fomento Angola (BFA), 30% do Banco Comercial e de Investimentos e 100% do BPI Moçambique, entre outros ativos e posições jurídicas necessários ao suporte das referidas unidades de negócio.
 
Os acionistas serão os investidores que têm ações do BPI.

"A Nova Sociedade vai ter um capital social de 46 milhões de euros, dividido em 1.450.827.827 ações ordinárias, escriturais, nominativas, sem valor nominal e com o valor de emissão unitário de 0,03170603647 euros, o que significa que, na data de produção de efeitos da cisão, será atribuída aos acionistas do Banco BPI uma ação da Nova Sociedade por cada ação do Banco BPI detida", lê-se no comunicado.


A Nova Sociedade será cotada na bolsa de Lisboa.

"As ações da Nova Sociedade serão objeto de pedido de admissão à negociação no Euronext Lisbon, mercado regulamentado gerido pela Euronext Lisbon - Sociedade Gestora de Mercados Regulamentados, S.A.".


O banco tomou esta decisão - que tem vindo a ser adiada porque o Banco de Fomento Angola tem sido uma das principais fontes de resultados positivos para o banco - para cumprir com uma norma do BCE, que impõe a redução da exposição a Angola.

As ações do BPI fecharam esta quarta-feira a subir 3,16% para 0,94 euros.