O BCP vai voltar a pagar a totalidade dos salários este mês, confirmou o banco numa carta aos trabalhadores, em que afirmou que os cortes salariais que duraram três anos permitiram salvar 400 postos de trabalho.

O ajustamento temporário dos rendimentos, que exigiu o esforço de todos, permitiu salvaguardar mais de 400 postos de trabalho e ainda assegurar melhores condições de desvinculação aos colaboradores que saíram do Banco no âmbito deste processo", lê-se na carta a que a Lusa teve acesso assinada pela comissão executiva do banco, presidida por Nuno Amado.

Já era conhecido que o BCP tinha intenção de passar a pagar na totalidade os salários este mês, antecipando o prazo inicial em seis meses, o que acordou inclusive com os sindicatos, depois de ter devolvido em fevereiro deste ano a totalidade do empréstimo estatal concedido em 2012 (3.000 milhões de euros).