Foram 17 as manifestações de interesse à privatização do Novo Banco, mas dois dos maiores bancos portugueses estão fora de jogo, revela o Diário Económico. CGD e BCP não podem comprar o Novo Banco devido aos compromissos assumidos com a Comissão Europeia.

Promessas feitas a Bruxelas também deixam fora da corrida o banco BIC e o Banif.

Dos quatro, o BCE e BIC seriam os mais prováveis interessados na compra, mas os dois bancos estão impedidos de realizar aquisições de outras instituições nos próximos dois anos, no âmbito dos compromissos assumidos com a CE: no caso do BCE, devido à injeção de capital de três mil milhões, e no do BIC devido à aquisição do BPN.

Esta situação facilita a vida à Fosun, BPI, Santander, Banco Popular e fundo Apollo, entre outros interessados. A venda deverá decorrer até julho.

Recorde-se que o Fundo de Resolução injetou 4,9 mil milhões de euros na capitalização do Novo Banco, e,  desse montante, 3,9 mil milhões foram emprestados pelo Tesouro.