O Banco Central Europeu anunciou esta terça-feira que em março cumpriu o objetivo do programa de compra de ativos lançado para apoiar a zona euro e adquiriu perto de 61 mil milhões de euros em títulos.

Este programa deverá injetar mais de 1,1 bilião de euros até setembro de 2016, uma iniciativa destinada a impulsionar a inflação, que tem sido muito fraca na zona euro, e a recuperação económica. Para isso, a instituição liderada por Maria Draghi quer comprar ativos ao ritmo de 60 mil milhões de euros por mês.

O programa conhecido como quantitative easing abrange a compra de dívida pública e privada e teve início a 09 de março.

A 31 de março, o BCE tinha comprado 47,36 mil milhões de euros de dívida soberana e 13,6 mil milhões em dívida privada (obrigações hipotecárias e dívida titularizada), num total de 60,96 mil milhões de euros, indicou um porta-voz do BCE à agência France Presse.

«Um sucesso» para o BCE no fim do primeiro mês do programa, comentou Christian Schulz, economista do banco Berenberg.

«Há ainda um longo caminho a percorrer até setembro do próximo ano, mas este arranque em força (...) deve dissipar os receios de que o BCE não conseguisse encontrar quem vendesse títulos suficientes», acrescentou.

Para o analista, cabe agora aos governos da zona euro apoiarem a retoma com reformas estruturais para assegurar que a política monetária do BCE tem efeitos.

O BCE informou também hoje que emprestou 108.257,5 milhões de euros no leilão semanal, a sua principal operação de refinanciamento, a uma taxa de juro de 0,05%.

O montante foi cedido a 136 bancos da zona euro que têm de o devolver a 15 de abril.