O presidente do banco britânico Lloyds, Horta Osório, defendeu esta terça-feira a realização de uma auditoria externa que mostre aos portugueses o que aconteceu no Banif, considerando que é "um assunto chocante" que tem de ser "devidamente explicado".

"Acho que é um assunto chocante e que tem de ser devidamente explicado", afirmou Horta Osório, em declarações aos jornalistas à margem do Conselho da Diáspora, que decorreu no Palácio da Cidadela, em Cascais.


Lembrando que se sabia que o banco estava fragilizado há uns anos e que recorreu à ajuda de uma linha europeia no valor de menos de mil milhões, Horta Osório defendeu ser necessário perceber porque agora se chegou à conclusão que os contribuintes têm de injetar mais do dobro desse montante no banco, num total de três mil milhões de euros, ou seja, "mais de mil euros por cada família portuguesa".

"Acho que tendo o banco recorrido a cerca de mil milhões de euros há dois anos atrás e agora ser injetado mais do dobro desse valor, este valor é demasiado para não ter um apuramento claríssimo das responsabilidades", enfatizou.


Ou seja, acrescentou, ou o valor que foi injetado há uns anos não estava correto ou então "tem que se perceber o que nestes poucos anos aconteceu".

"Acho que deve ser feita uma auditoria independente que mostre aos contribuintes portugueses exatamente que negócios é que foram feitos, que originaram esta injeção da capital no banco, que créditos é que foram concedidos que não foram pagos, porque agora que o mal está feito acho que os contribuintes merecem saber com exatidão e transparência exatamente", defendeu.


O Governo e o Banco de Portugal anunciaram no domingo a venda do Banif ao Banco Santander Totta, por um valor de 150 milhões de euros, no âmbito da medida de resolução aplicada ao banco cuja maioria do capital pertencia ao Estado português, de forma a impedir a sua liquidação, numa operação que envolve um apoio público estimado em 2.255 milhões de euros.