Os bancos já têm menos casas no balanço, mas querem vender as que ainda têm rapidamente. Para isso, têm adotado diferentes estratégias: além dos preços mais competitivos, spreads reduzidos são a principal aposta, à qual se juntam as isenções de comissões associadas aos créditos para a compra de habitação, mas agora, segundo o Jornal de Negócios, estão a passar cheques aos compradores.

Dinheiro para obras, decoração e até para pagar as despesas mensais dos serviços básicos, como está a acontecer no Banif, Neste caso, o cheque pode chegar aos 4500 euros. Já o Montepio propõe-se a pagar mais de mil euros, enquanto a CGD dá valores de 250 euros.

As promoções atualmente em vigor são acumuláveis com aquelas que desde sempre foram utilizadas pelo setor financeiro para conseguirem escoar imóveis durante a crise. Os spreads variam entre 1% e 2%.

O número de casas vendidas pelos bancos aumentou no ano passado, tendência que se mantém este ano. Entre janeiro e março BCP, BES e Santander Totta venderam 1319 imóveis, mais 4,3% do que no período homólogo.