O Banco de Espanha decidiu intervir no Banco de Madrid, que é detido a 100% pela Banca Privada de Andorra (BPA), para «assegurar a continuidade da atividade desta entidade, tendo em conta as decisões adotadas pelo Departamento do Tesouro dos Estados Unidos e pelo INAF [Instituto Nacional de Finanças de Andorra]»

Segundo a imprensa espanhola, o BPA está a ser investigado pelas autoridades norte-americanas por suspeita de branqueamento de capitais. É uma entidade especializada em grandes fortunas e que recebeu a fortuna da família Pujol, depois de deixarem outro banco de Andorra. 

O Banco de Madrid foi a entidade encarregada de regularizar a situação depois da aprovação da amnistia fiscal.