O investimento captado dos vistos gold chegou a 102,8 milhões de euros, entre agosto e outubro. A grande maioria - 93 milhões de euros - corresponde à compra de imóveis, de acordo com dados do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

No final de julho, o investimento acumulado por via da Autorização de Residência para Atividade de Investimento (ARI), também conhecida como visto gold, atingiu os 3.223.403.061,34 euros.

Em agosto e setembro, o SEF não publicou as estatísticas mensais acumuladas, só voltando a divulgá-las em outubro, altura em que o investimento acumulado ascendia a 3.326.273.404,63 euros. Contas feitas, os tais quase 103 milhões de euros.

O investimento captado através dos vistos gold subiu 14,6% em novembro, face a igual mês de 2016, para 54,5 milhões de euros.

Relativamente à evolução face a outubro, não foi possível calcular a variação, uma vez que o SEF não disponibilizou dados que permitissem o cálculo.

A Lusa pediu por várias vezes os mapas de agosto e setembro e questionou o SEF sobre a razão de os dados não terem sido publicados naqueles meses, ao contrário do que tem acontecido. A resposta foi que "o tratamento estatístico solicitado, dos dados cumulativos referentes a agosto e setembro, foi efetuado englobando os três meses (agosto, setembro e outubro), pelo que foi disponibilizado o respetivo mapa cumulativo no mês de outubro".

Assim, de agosto até final de outubro, o investimento total captado foi de 102.870.343, 29 euros, dos quais 93.147.494,2 euros por via de aquisição de imóveis e 9.722.849,09 euros pelo critério de transferência de capital.

Neste período, foram atribuídos 169 vistos dourados.